Frei Galvão, um passeio de fé na história!

Você pode conhecer…caminhos da fé!

Hoje temos o nosso primeiro artigo sobre viagens e eventos religiosos. Estes artigos serão feitos quinzenalmente e temos a finalidade de apresentar atrativos que muitas vezes você pode não conhecer e descobrir novos destinos com enfoque religioso.
Vamos começar por um lugar que poucos conhecem, mas que muitos já ouviram falar de Frei Galvão ou até mesmo escutaram algo sobre as “Pílulas do Frei Galvão”.


Uma cidade simples, pequena e ajeitadinha, mas que de longe se vê a fé! Nesta cidade com aproximadamente 119.073 (2015 – https://pt.wikipedia.org/wiki/Guaratinguetá) é que se localiza o Santuário de Frei Galvão, à 190 km de São Paulo, à 10 km do Santuário de Aparecida e à 28,7 km da Canção Nova.
Esse destino pode ser sim um ponto de parada para quem crê ou quer conhecer um pouco mais sobre Frei Galvão, assim como sua história:
“Sereno e dadivoso, sempre voltado para o bem dos outros, Frei Antônio de Santana Galvão é posto pelo Papa Bento XVI como modelo para os cristãos brasileiros.
Santo Antônio de Sant’Ana Galvão, mais conhecido como Frei Galvão (Guaratinguetá, 1739 — São Paulo, 23 de dezembro de 1822) foi um frade católico e primeiro santo nascido no Brasil. O pai, Antônio Galvão de França, nascido em Portugal, era o capitão-mor da vila. Sua mãe, Isabel Leite de Barros, era filha de fazendeiros, bisneta do famoso bandeirante Fernão Dias Pais, o “caçador de esmeraldas”. Antônio viveu com seus irmãos numa casa grande e rica, pois seus pais gozavam de prestígio social e influência política. O pai, querendo dar uma formação humana e cultural segundo suas possibilidades econômicas, mandou o filho com a idade de treze anos para o Colégio de Belém, dos padres jesuítas, na Bahia, onde já se encontrava seu irmão José.
Lá fez grandes progressos nos estudos e na prática cristã, de 1752 a 1756. Queria tornar-se jesuíta, mas por causa da perseguição movida contra a Ordem pelo Marquês de Pombal, seu pai o aconselhou a entrar para os franciscanos, que tinham um convento em Taubaté, não muito longe de Guaratinguetá. Assim, renunciou a um futuro promissor e influente na sociedade de então, e aos 16 anos, entrou para o noviciado na Vila de Macacu, no Rio de Janeiro.
Estátua do frade em sua cidade natal, Guaratinguetá. A 16 de abril de 1761 fez seus votos solenes. Um ano após foi admitido à ordenação sacerdotal, pois julgaram seus estudos suficientes.
Foi então mandado para o Convento de São Francisco em São Paulo a fim de aperfeiçoar os seus estudos de filosofia e teologia, e exercitar-se no apostolado. Data dessa época a sua “entrega a Maria”, como seu “filho e escravo perpétuo”, consagração mariana assinada com seu próprio sangue a 9 de março de 1766.
Terminados os estudos foi nomeado Pregador, Confessor dos Leigos e Porteiro do Convento, cargo este considerado de muita importância, pela comunicação com as pessoas e o grande apostolado resultante. Em 1769-70 foi designado confessor de um Recolhimento de piedosas mulheres, as “Recolhidas de Santa Teresa”, em São Paulo.”

Canonização de Frei Galvão

Frei Galvão foi canonizado pelo Papa Bento XVI em 11 de maio de 2007, durante a visita do pontífice ao Brasil. A comprovação oficial e o anúncio foi feito em 16 de dezembro de 2006.
Trata-se do caso da Sra Sandra Grossi de Almeida e de seu filho Enzo de Almeida Gallafassi, da cidade de São Paulo-SP, hoje residentes em Brasília-DF, Brasil.
O Santo Padre Bento XVI depois de conhecer o fato, autorizou no dia 16/12/2006, a Congregação das Causas dos Santos a promulgar o Decreto, a respeito do milagre atribuído à intercessão do Beato Frei Antônio de Sant’Anna Galvão.
O nome do primeiro santo brasileiro ficou Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, conhecido comumente como São Frei Galvão.

Pílulas da Fé

Certo dia, Frei Galvão foi procurado por um senhor muito aflito, porque sua mulher estava em trabalho de parto e em perigo de perder a vida.
Frei Galvão escreveu em três papelinhos o versículo do Ofício da Santíssima Virgem: Pos partum Virgo, Inviolata permansisti: Dei Genitrix intercede pro nobis (Depois do parto, ó Virgem, permaneceste intacta: Mãe de Deus, intercedei por nós).
Deu-os ao homem, que por sua vez levou-os à esposa. A mulher ingeriu os papelinhos, que Frei Galvão enrolara como uma pílula, e a criança nasceu normalmente. Caso idêntico deu-se com um jovem que se contorcia com dores provocadas por cálculos visicais.
Frei Galvão fez outras pílulas semelhantes e deu-as ao moço. Após ingerir os papelinhos, o jovem expeliu os cálculos e ficou curado.
Esta foi à origem dos milagrosos papelinhos, que, desde então, foram muito procurados pelos devotos de Frei Galvão, e até hoje o Mosteiro fornece para pessoas que têm fé na intercessão de Servo de Deus.
Você pode saber muito mais sobre seus milagres e o caso da Sra Sandra Grossi de Almeida no site do santuário https://www.santuariofreigalvao.com/.
Para quem é devoto ou quer ter acesso as pílulas de Frei Galvão e não pode conhecer Guaratinguetá… é possível encontrar as pílulas no  Mosteiro da Luz localizado na Av. Tiradentes, 676 – Luz / SP, para o caso de precisar de grande quantidade ou receber por correio, o contato é (11) 3311-8745 ou pelo e-mail: atendimento@mosteirodaluz.org.br.

Imagens:
https://www.a12.com/redacaoa12/espiritualidade/frei-galvao-nasceu-em-meio-ao-surgimento-da-devocao-de-aparecida
http://www.saofreigalvao.org.br/

Fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Guaratingueta
http://www.saofreigalvao.org.br/
http://www.mosteirodaluz.org.br/pilulas-de-frei-galvao-2/

Por: Monalisa Morales tem 33 anos, é mãe do Lucas e casada com Pedro. Graduada em Turismo e MBA em Gestão de empresas, hoje escreve colunas para alguns sites e realiza consultorias sobre viagens e eventos, enquanto se dedica a sua família.